domingo, 22 de janeiro de 2017

Alma de artista

אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה, 


Tenho a alma exposta nas mãos,
Fluem-me as palavras a movê-las,
Escorrem-me cores pelos dedos,
Pelos poros, a suar, a alma exalo.

Pelos olhos sinto a alma a envolver
Os olhos de quem me olha a face,
E o sorriso é minha alma a mostrar-se
Assim, nua, alminha sem disfarce.

Meu coração bate por ela, e a mente
Conta histórias, diz uns versos, sente
O que ela lembre, sonhe, ou invente.

Já sofreu minha alma, e era evidente,
Mas hoje, em uns poemas, diz às gentes:
Sou o que sou, (uni)versos em catarse.



Nenhum comentário:

Postar um comentário